Você usa a mesma roupa pra ir num casamento e pra ir num shopping? Por quê? Locais diferentes, ocasiões diferentes, contextos diferentes! O mesmo acontece com o conteúdo na internet: não cabe tuíte no blog, nem texto do blog no twitter! Não cabe postagem do Instagram no Facebook e nem do Facebook no Instagram. Cada rede tem um comportamento e pede um tipo de conteúdo específico. Podemos falar da mesma coisa até… Mas usar a mesma imagem e o mesmo texto, JAMAIS! Quer saber mais? Segue a leitura aqui com a gente… Vou falar um pouco sobre o perfil das duas redes e qual conteúdo se adequa melhor a cada uma!

Facebook: perfil de rede e conteúdos adequados.


O Facebook tem a característica da informação ainda muito forte. As notícias chegam por lá, assim a possibilidade de criar grupos e de gerar conversas dentro da rede faz dela um forte aliado a esse tipo de conteúdo. O botão compartilhar, que não tem nativo no Instagram, é uma boa forma da gente começar a refletir sobre isso. Mesmo com todos os problemas de alcance, o Facebook ainda tem esse viés da notícia. E até mesmo as fake news, que a gente tanto tenta combater, existem e viralizam pelo potencial que o Facebook tem de distribuição e de viralização da informação.

  • Conteúdos adequados: informativos! Pense na sua brand persona e poste no Facebook o que ela quer que o mundo saiba e conheça! A rede possui uma grande variação de formatos de conteúdo permitindo foto, vídeo, gif, link, enquetes… Além dos Grupos que são um grande diferencial e, sabendo usar, as marcas só têm a ganhar. Use o Facebook para distribuir o conteúdo do seu blog, por exemplo! E mais: as possibilidades de dados que o Facebook te dá permitem um mundo de insights que você pode ter lá dentro mesmo da sua página! Mesmo o Instagram crescendo mais no interesse das pessoas, o Facebook ainda é uma rede completa e deve ser explorada. Se seu cliente está lá, não tem porque você não estar.

Instagram: perfil de rede e conteúdos adequados.  

Ganhando cada vez mais adeptos, o Instagram nasceu – e continua na sua essência – como uma rede para inspirar. Não existe post no Instagram sem imagem, por exemplo. As pessoas não estão no lá em busca de informação, como no Facebook. Lá elas querem conhecer os mundos de cada um, se inspirar neles e fazer dos seus inspiração para os outros. Até mesmo os formatos timeline, storie e destaques tem o mesmo objetivo: compartilhar imagens para inspirar, seja algo duradouro ou por 24 horas.  Não é uma rede de viralização nativa! Você não compartilha, se não for via reposts e aplicativos externos. É pra você ‘amar’ e ‘dizer que amou’, curtir e comentar. Nos últimos tempos surgiu a possibilidade de encaminhar uma publicação por mensagem, mas mesmo assim não é um compartilhamento com todos que te seguem.

  • Conteúdos adequados: inspiradores! Aqui a sua brand persona diz quem é, o que gosta e o que faz durante o dia. O Instagram veio como o ponto chave de ligação entre “fãs” e “famosos”. Um ponto importante que exemplifica isso, foi o boom dos digital influencers, que nada mais são do que pessoas que inspiram outras tantas que as seguem, seja pelo humor, pela ideologia ou simplesmente pela simpatia. Poste fotos legais, coisas do dia, que humanizem sua marca. Instagram é rede de pessoas! Faça da sua marca uma pessoa que seus clientes vão querer seguir. E nos stories, seja ainda mais humano! É o canal dos bastidores, do instante, da cena que “só quem é íntimo está vendo”. Faça seu cliente se sentir um íntimo!

No fim das contas a gente sabe que o que mais tem são formas de automatizar a publicação do conteúdo de uma rede em outra! O próprio Instagram, por exemplo, tem a função de publicar automaticamente no Facebook. São ferramentas, aplicativos… Tudo em nome da praticidade. Mas sabe o que eu acho? Tá tudo errado! O trabalho de conteúdo é justamente esse: perceber cada rede, cada ambiente, e assim, criar estratégias específicas e focadas. Todo o conceito do Marketing de Conteúdo é focado na relevância, então por que cargas d’água criar uma pauta só pra duplicar em todas as suas redes? Sei que parece ser mais prático, pois ainda é muito usado no mercado, mas a gente prefere ser sincero e seguir a linha do “se não tem verba, não faz” do que a do “faz de qualquer jeito só pra dizer que tem”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Marketing de Conteúdo

Como criar conteúdo para marcas chatas

Quando digo chatas, são aquelas marcas que você logo de cara não consegue pensar em nada criativo, tipo, uma empresa que faz manutenção de máquinas industriais (Gzuis!). Não é impossível, mas provavelmente você vai ter Leia mais…

Gestão

Guia de boas maneiras para empresas no Whatsapp

Já parou para contar quanto tempo você passa no WhatsApp por dia? Eu, particularmente passo o dia INTEIRO! É  minha ferramenta de trabalho e meio de comunicação com amigos e família, principalmente os que estão Leia mais…

Marketing de Conteúdo

Twitter: eu amo essa rede e vou defendê-la!

Seja pra marketing e\ou apenas pra falar umas bobagens, o Twitter está aí, vivo, firme e forte. Caindo, isso é fato, mas ainda de pé! Desde o seu auge, por volta ali de 2009, a Leia mais…